quarta-feira, 27 de outubro de 2010

Pesquisa LCP/UFPA/Veritate: Juiza indefere pedido de impugnação

Acompanhamento Processual e PUSH

Pesquisa | Login no Push | Criar Usuário Obs.: Este serviço é de caráter meramente informativo, não produzindo, portanto, efeito legal.


PROCESSO: RP Nº 217352 - Representação UF: PA TRE
Nº ÚNICO: 217352.2010.614.0000
MUNICÍPIO: BELÉM - PA N.° Origem:
PROTOCOLO: 197312010 - 27/10/2010 08:46
REPRESENTANTE(S): COLIGAÇÃO MAJORITÁRIA FRENTE POPULAR ACELERA PARÁ e ANA JÚLIA DE VASCONCELOS CAREPA
ADVOGADO: CLÁUDIO RONALDO BARROS BORDALO
REPRESENTADO(S): VERITATE - INSTITUTO DE PESQUISA GESTÃO E MERCADO
ADVOGADO: .
REPRESENTADO(S): FEDERAÇÃO DA AGRICULTURA E PECUÁRIA DO PARÁ
ADVOGADO: .
RELATOR(A): JUÍZA MARIA DO CÉO MACIEL COUTINHO
ASSUNTO: ELEIÇÕES GERAIS 2010 - REPRESENTAÇÃO - IMPUGNAÇÃO - PESQUISA ELEITORAL - ALEGAÇÃO DE DESCUMPRIMENTO DAS REGRAS DE REGISTRO DA PESQUISA - PROIBIÇÃO DA DIVULGAÇÃO DA PESQUISA IMPUGNADA - REGISTRADA EM 11/09/2010 SOB O PROT.19.569/2010/TRE/PA - PEDIDO DE CONCESSÃO DE LIMINAR
LOCALIZAÇÃO: CPRO-COORDENADORIA DE PROCESSAMENTO
FASE ATUAL: 27/10/2010 19:52-Registrado Decisão Liminar de 27/10/2010. Indeferida


Andamento Distribuição Despachos Decisão Petições Todos

segunda-feira, 25 de outubro de 2010

Artigo: As disputas para o governo do Pará na República de 1946

Quer ver um artigo sobre as disputas para o governo do Pará na República de 1946? Então clique aqui

Artigo: As disputas para o Executivo do Pará

Quer ver um artigo sobre as disputas para o governo do Pará no Pós Ditadura de 1964? então clique aqui

segunda-feira, 18 de outubro de 2010

PT – PSDB: diferenças e aproximações bem pontuadas

No período imperial brasileiro, dois partidos disputavam a direção política do Estado. A diferença entre eles não era de matiz política ou ideológica, mas em relação à configuração do Estado. Os Conservadores, tendo à frente o visconde do Uruguai, defendiam um Estado centralizado e os Liberais, tendo à frente Tavares Bastos defendiam um Estado descentralizado.


Hoje a bipolarização da política nacional se dá entre dois grandes blocos: o liberalismo social do PSDB e o social liberalismo do PT. O que os une e o que os separa?


Pontos de unidade:


Convergência pelo Estado de Direito Democrático
Experiência comum com escândalos de corrupção
Opção por uma estratégia política social reformista
Afirmação da opção institucional para a conquista de governo
Ambos são pragmáticos no terreno partidário, aceitam apoio até da direita ideológica
Ambos convivem bem com estatizações e privatizações. Diferem apenas nas ênfases dado, a cada uma delas.


Pontos de separação:
A opção do PSDB entre o controle do déficit público e a redistribuição de renda, opta pelo controle do déficit.


A opção do PT entre o controle do déficit público e a redistribuição de renda. Opta pelo meio termo. Ajusta parcialmente mecanismo de controle do déficit , mas não abre mão da política redistributiva.


Frente à uma crise de origem externa ou interna, a receita que vem à cabeça dos técnicos do PSDB é: diminuir gastos do Estado através da diminuição dos gastos sociais, arrocho salarial e privatizações.


Frente à uma crise de origem externa ou interna, a receita que vem à cabeça do PT é: ampliação da concessão de créditos para mover a economia, aumento das exportações e ampliação do investimento do governo em empresas públicas.


Em síntese: a separação entre PT e PSDB se dá nas receitas frente às crises e em visões diferenciadas sobre o papel do Estado na economia.


PT/PSDB convergem ao centro dentro do espectro ideológico brasileiro. Esta tendência deve-se ao perfil do congresso nacional, que é em 70% de sua composição, de centro-direita.


Nestes partidos já não existem as velhas paixões socialistas que animaram as gerações até a década de 1990 do século XX. Portanto, quem ainda nutre paixões ideológicas por estas duas agremiações partidárias está dando murro em ponta de faca.


Estes partidos em nada inovaram a gestão pública, na participação popular e nem construíram uma cultura republicana na política brasileira.


São dois partidos democratas. E isto é muito bom para a democracia brasileira.

terça-feira, 12 de outubro de 2010

segunda-feira, 11 de outubro de 2010

Eleições-2010: Resumo-resultados por Microrregiões

Microrregião Belém: Belém e Ananindeua, Barcarena, Benevides, Marituba e Santa Bárbara.

Total Microrregião Belém:
Jatene: 520.865
Ana: 369.234
Juvenil: 101.149
F.Carneiro: 71.309
Cleber: 34.013


Meso- Nordeste:
Microrregião Castanhal: Castanhal, Bujarú, Inhangapí, Isabel do Pará, Santo Antônio do Tauá.
Total Microrregião Castanhal:
Jatene: 84421
Ana: 38.584
Juvenil: 14.831
F.Carneiro: 4.451
Cleber: 1.181


Nordeste do Pará:
Microrregião Salgado: Colares, Curuçá, Magalhães Barata, Maracanã, Marapanin, Salinópolis
Colares:


Total: Meso-Nordeste- Microrregião Salgado:
Jatene: 69.725
Ana: 45.521
Juvenil: 22.569
F.Carneiro: 1.897
Cleber: 541


Mesorregião Marajó: Portel, Bagre, Gurupá, Melgaço.
Total: Microrregião Portel:
Jatene: 21.123
Ana: 17.286
Juvenil: 3.359
F.Carneiro: 373
Cleber: 45


Marajó- Microrregião Furos de breves: Breves, Afuá, Anajás, Curralinho, São Sebastião da B.Vista.
Total: Microrregião Breves:
Jatene: 41.269
Ana: 30.762
Juvenil: 7.308
F.Carneiro: 1.045
Cleber: 151


Marajó: Microrregião Arari : Cachoeira do Arari, Chaves,Muaná,Ponta de Pedras, Salvaterra, Santa Cruz do Arari e Soure.
Total: Marajó- Microrregião Arari:
Jatene: 28.432
Ana: 35.012
Juvenil: 7.588
F.Carneiro: 752
Cleber: 373



Mesorregião Baixo Amazonas-0 Microrregião Óbidos: Óbidos, Faro, Juruti, Oriximiná e Terra Santa.
Total: Mesorregião Baixo Amazonas- Microrregião Óbidos.
Jatene: 32.249
Ana: 40.509
Juvenil: 5.735
F.Carneiro: 923
Cleber: 143



Mesorregião Baixo Amazonas- Microprregião Santarém: Santarém, Alenquer, Belterra, Curuá, Monte Alegre, Prainha, Placas.


Total: Meso Baixo Amazonas- Micro r: Santarém:
Jatene: 122.536
Ana: 67.939
Juvenil: 25.710
F.Carneiro: 8.341
Cleber: 613


Meso-Baixo Amazona- Micror: Almeirim: Almeirim, Porto de Moz
Total: Meso Baixo Amazonas- Micror: Almeirim:
Jatene: 12.381
Ana: 11.098
Juvenil: 2.537
F.Carneiro: 153
Cleber: 23B



Microrregião Bragantina: Augusto Corrêa, Bonito, Bragança, Capanema, Igarapé-Açú, Nova Timboteua, Peixe Boi, Primavera, Quatipuru, Santa Maria do Pará, Santarém Novo, São Francisco do Pará, Traquateua.
Meso Bragantina: Total
Jatene: 94.667
Ana: 76.104
Juvenil: 25.531
F.Carneiro: 2.783
Cleber:1.000



Meso Nordeste: Microrregião Tocantina: Cametá, Abaetetuba, Baião, Igarapé-Miri, Limoeiro do Ajurú, Mocajuba, Oeiras do Pará.
Total Meso Nordeste-Micro-Cametá:
Jatene: 98.089
Ana: 110.894
Juvenil: 7.493
F.Carneiro: 2.597
Cleber:609



Mesorregião Nordeste- Microrregião: Tome-açú: Acará, Concórdia do Pará, Mojú, Tailândia, Tomé-Açú.
Total: Meso Nordeste- Micro- Tomé-Açú:
Jatene: 59.313
Ana: 45.117
Juvenil: 13.265
F.Carneiro: 838
Cleber:508



Mesorregião Nordeste- Microrregião: Guamá: Cachoeira do Piriá, Capitão Poço, Garrafão do Norte, Irituia, Mãe do rio, São Domingos do Capim, São Miguel do Guamá,Vizeu, Aurora do Pará, Ipixuna do Pará, Nova Esperança do Piriá, Santa Luzia do Pará.
Total - Meso Nordeste- Micro- Guamá:
Jatene: 93.459
Ana: 71.083
Juvenil: 18.037
F.Carneiro: 1.692
Cleber:324



Microrregião Tucurui: Tucurui,Itupiranga, Jacundá, Nova Ipixuna, Novo Repartimento, Breu Branco:
Total : Meso Sudeste- Microrregião Tucurui:
Jatene: 77.473
Ana: 54.326
Juvenil: 12.496
F.Carneiro: 1.999
Cleber:316



Meso Sudeste- Microrregião Paragominas: Paragominas, Bpm Jesus do Tocantins, Dom Eliseu, Rondon do Pará, Abel Figueiredo, Goianésia do Pará, Ulianópolis:
Total: Meso Sudeste- Microrregião Paragominas:
Jatene: 61.292
Ana: 38.210
Juvenil: 13.692
F.Carneiro: 888
Cleber:225



Mesorregião Sudeste: Microrregião São Félix do Xingú: São Félix do Xingú, Ourilândia do Norte,Tucumã, Cumaru do Norte, Bannach.
Total: Meso Sudeste- Microrregião: São Félix do Xingu:
Jatene: 23.875
Ana: 20.606
Juvenil: 3.368
F.Carneiro: 246
Cleber:82



Mesorregião Sudeste- Microrregião Parauapebas: Parauapebas, Curionópolis, Canaã dos Carajás, Água Azul do Norte, Eldorado do Carapás.
Total - Meso Sudeste- Microrregião Parauapebas:
Jatene: 48.053
Ana: 33.232
Juvenil: 12.940
F.Carneiro: 2.186
Cleber:377



Mesorregião Sudeste- Microrregião Marabá: Marabá, Brejo Grande do Araguaia, São João do Araguaia, Palestina do Pará, São Domingos do Araguaia.
Total : Meso Sudeste- Microrregião Marabá:
Jatene: 52.338
Ana: 53.979
Juvenil: 8.495
F.Carneiro: 1.942
Cleber:483



Mesorregião Sudeste- Microrregião Redenção: Redenção, Piçarra, Rio Maria, São Geraldo Araguaia, Xinguara, Pau D’Arco:
Total: Meso-Sudeste- Microrregião Redenção
Jatene: 43.656
Ana: 29.456
Juvenil: 13.996
F.Carneiro: 582
Cleber:152



Mesorregião Sudeste: Microrregião Conceição do Araguaia: Conceição do Araguaia, Santa Maria das Barreiras, Santana do Araguaia, Floresta do Araguaia:
Total: Meso Sudeste- Microrregião Conceição do Araguaia:
Jatene: 19.658
Ana: 19.338
Juvenil: 8.025
F.Carneiro: 258
Cleber:74



Mesorregião Sudoeste: Microrregião Itaituba, Microrregião Altamira:
Total: Meso Sudoeste- Micro Itaituba:
Jatene: 53.518
Ana: 33,235
Juvenil: 12.778
F.Carneiro: 852
Cleber:184



Mesorregião Sudoeste – Microrregião Altamira: Altamira, Anapú, Medicilândia, Pacajá. Senador José Porfírio, Uruará, Brasil Novo, Vitória do Xingu.
Total: Meso Sudoeste – Microrregião Altamira:
Jatene: 36.512
Ana: 26.783
Juvenil: 24.986
F.Carneiro: 945
Cleber:101

UFPA: Resposta a um anônimo covarde

Não gosto de falar de querelas intestinas, mas vou abrir uma exceção e abrir e fechar este debate, pois relaciona-se à minha vida nestes 30 anos de UFPA (1980/2010), sem me ausentar institucionalmente desta, sequer um dia. Tomo esta iniciativa por entender que uma versão caluniosa pode estar circulando na UFPA de forma covarde e escondida sobre a minha vida e o meu caráter.

Vamos aos fatos:


Nos debates em torno de minhas análises políticas contextuais no curso das eleições de 2010, procurei demonstrar que busco ser imparcial, cosmopolita e republicano. De repente, não mais do que de repente, entrou de contrabando uma postagem extemporânea, que nada tinha a ver com os debates em torno da sucessão estadual, mas que retrata uma postagem amargurada e que denota uma avaliação lunática sobre minha trajetória política e acadêmica na UFPA.


Veja a postagem que recebí.


" Jamais serás cosmopolita, muito menos republicano, não tens história que comprove esta "tendência" pessoal. Antes, sempre fostes oportunista, manipulador, enganador, fascista. Tuas atuações na política universitária apontam esta "tendência", que eu diria ser "vício estrutural" de personalidade. Fostes beneficiado- isto sim- com iniciativas republicanas na institutição que te proporcionaram o título que tens e que usas contra aqueles que te ajudaram. Cospes no prato que comestes. Conspiras, nos bastidores da UFPA, por politicalhas e interferências indevidas do poder central (a exemplo da sucessão no IFCH), o que nega toda a tua pretensão de "republicano". És exatamente o contrário: parcial, antidemocrático e provinciano".


Vamos à resposta à esta postagem intrinsicamente megalomaníaca e esquizofrênica:


1- Militei ativamente entre 1980 e 1985, em partidos clandestinos na luta por democracia no Brasil. Oportunismo seria militar na TFP, ARENA, PDS, ou simplesmente não se engajar na luta política contra a Ditadura. Somente me filiei em um partido legal, o PT, jamais apoiei ou participei de partidos de centro ou de direita. Pelo que sei, isto não consolida uma prática oportunista.

2- Entrei na UFPA por vestibular, passei no mestrado e doutorado, através de concursos. Entrei como docente através de concurso público, pela área de saúde ( disciplina: Ciências Sociais aplicada à Saúde, já como doutor), sem nenhuma interferência externa. Como professor substituto fui aprovado através de concurso público, e em primeiro lugar, no curso de Ciência Política.

3- Este anônimo covarde , fala que eu fui beneficiado por iniciativas republicanas para obter meus títulos. Mas o Estado Brasileiro é hoje constitucionalmente republicano, não somente eu, mas todos os graduados da UFPA que fizeram mestrado e doutorado, o fizeram através de concurso público e com verba do MEC, CNPq e CAPES. Portanto não foi nenhum reitor que inventou os concurso públicos na UFPA, mas a constituição federal.

4- Este anônimo covarde, fala que eu cuspo no prato que comí. Mas quem foi que deu prato para eu comer? Vejamos: eu participei ativamente apoiando as eleições e vitórias de muitos reitores na UFPA: Lourenço, Nilson, Ximenes e duas vezes Alex Fiúza. E participei levando minha liderança, quando estava no DCE e Centro Acadêmico e ASUFPA. Eu era um dos líderes do maior grupo de estudante, e depois do grupo de funcionários majoritários politicamente na UFPA . Hoje ajudo com tecnologia de pesquisas e estratégias eleitorais, além de ajudar a aglutinar dezenas de amigos, que militaram comigo por mais de 15 anos na UFPA.


5- Só ocupei cargo no período de 1993/1997, na gestão Ximenes. Daí por diante jamais ocupei cargos de confiança na UFPA. Como funcionário público, atuei como Cirurgião Dentista por 10 anos na UFPA, sendo readaptado e deslocado das atividades clínicas, pela perícia médica, por causa de grave patologia na coluna cervical. Como dentista, nunca atuei em consultório privado, sempre atuei em saúde coletiva, que é a parte política da odontologia, onde sou pósgraduado. A Ciência Política é multidisciplinar, e como tal, qualquer graduado pode se candidatar ao mestrado. Para ser cientista político só é preciso ter talento e passar nas seleções públicas anuais.

6- Ultimamente ajudei, muito fortemente na eleição do reitor Alex em 2001, que havia passado 08 anos fora da UFPA, fazendo Doutorado e pós-Doutorado. Nesta eleição ajudei a aglutinar dezenas de lideranças de funcionários e estudantes para a judar na luta contra a situação representada pela gestão 1997/2001. Nenhum oportunista apóia oposição contra a situação. Em 2005, a eleição foi mais fácil e apenas ajudei nas atividades de pesquisa e estratégia eleitoral, além de aglutinar meus amigos dos movimentos sociais da UFPA.


7- Após apoiar incondicionalmente a gestão Alex de 2001/2005 e 2005-2009, vim novamente a apoiar um candidato de oposição, desta vez ajudei na candidatura Carlos Maneschy. Oportunista não apóia oposição, quando o reitor da situação, Alex, dispunha de 90% de avaliação positiva.


8- Nestes oito anos de Alex , caso eu venha fazer um balanço de quem ajudou quem, posso dizer com toda a convicção, ajudei mais do que recebí, principalmente quando este chegou da pós-graduação, estando fora do circuito público por quase uma década. Aliás , o que eu teria recebido de benesses pessoal da gestão Alex? Apoei Alex sem pedir nada em troca, e oportunista não tem esta postura. Aliás, avalio que Alex foi um grande reitor, realizador. Ajudei a construir a UFPA ao apoiar Alex, Lourenço, Nilson e Ximenes e não me arrependo destas decisões. Agora sei perfeitamente que se eu e meus amigos tivéssemos apoiado a candidatura lançada por Alex em 2008, esta teria sido vitoriosa na última disputa para a reitoria.


9- Quanto à referida interferência no processo sucessório do IFCH, nada mais falso. Participei do processo sucessório do IFCH porque sou docente deste instituto e tenho todo o direito de fazê-lo. Mas devo informar ao anônimo covarde, que eu fui um defensor, até último momento, de uma chapa conjunta com o atual Diretor João Márcio, esta pretensão perdeu força com o episódio da anulação do vestibular da UFPA. Maneschy nunca se envolveu na sucessão do IFCH, os Pró-Reitores F. Arthur e Tourinho, sim, particparam da disputa eleitoral. Mas estes Pró-Reitores são docentes do IFCH e tem todo o direito de se envolver nas disputas acadêmicas e políticas do IFCH.

Tenho dito.

Edir Veiga- Prof. Dr. Concursado do PPGCP/IFCH/UFPA.

domingo, 10 de outubro de 2010

ELEIÇÕES 2010:ESCLARECIMENTOS DO INSTITUTO VERITATE À COMUNIDADE ACADÊMICA E AO PÚBLICO EM GERAL.

Eu venho aqui perante você leitor, apresentar algumas informações para que você tenha parâmetros para entender as criticas que foram dirigidas ao Instituto Veritate, que está fazendo parcerias com o Programa de Pós-graduação em Ciência Política da UFPA nas eleições de 2010 por alguns concorrentes, mesmo que eles tenham pouca credibilidade e modesto poder de comunicação, mesmo assim, iremos repor a verdade.


Em defesa direta de um concorrente do “Veritate”, o blog do “barata” disse que a pesquisa deste concorrente o - Instituto Acertar- do sociólogo Américo Canto, foi a única que acertou nesse primeiro turno das eleições; Disse que no final dos anos noventa. do século XX, o Veritate saiu fugido do Amapá por conta de erros em suas pesquisas; Disse que a pesquisa que realizamos em conjunto com o Laboratórios da Pós-Graduação em Ciência Política não é séria; Disse que a publicação da pesquisa na capa do Diário do Pará no dia 3 de outubro foi uma articulação política nossa e; Disse outras tantas coisas que eu realmente acho que não vale a pena responder.
Primeiro: A pesquisa apócrifa anuncia o “Acertar” como aquele Instituto que acertou os números do primeiro turno. Na verdade o “Acertar” errou feio. E por que errou?


1º - Porque prevê uma margem de erro de de 2,5% para mais ou para menos num intervalo de confiança de 95% para 2.100 entrevistas quando na verdade essa margem de erro é de 2,1%;


2º - Porque não apresentou os seus números, ao invés disso apresentou intervalos não balizados nem pela sua margem de erro declarada e nem por sua margem de erro real (Exemplo: Simão Jatene entre 39 e 42%! Seria 40%? Seria 41%?)


3º - Porque previu que Simão Jatene teria entre 39 e 42% dos votos considerando os brancos, nulos e abstenções e na verdade o Simão Jatene obteve 46% dos votos (errou entre 4 e 7 pontos, além de qualquer margem de erro);
4º - Porque não sabe se o custo da pesquisa foi 60 ou 80 mil reais (esquisito!);



Segundo: O “ Veritate” nunca errou pesquisa alguma no Estado do Amapá. Nunca! O Veritate se “ausentou” do mercado nos fins dos anos 90 por outro motivo. Sabe qual? Porque o Veritate foi selecionado diretamente pela diretora presidente da TIW (Telesystem International Wireless) para fazer todas, todas as pesquisas de implantação e desenvolvimento da Amazônia Celular nos Estados do Maranhão, Pará, Amapá, Amazônia e Roraima e o seu trabalho foi considerado o melhor trabalho realizado para a TIW no Brasil e os resultados da empresa naquela época proporcionalmente eram um dos melhores entre os 32 países de atuação daquela multinacional e porque o aprendizado naquele trabalho desenvolvido diretamente com os canadenses era tão estimulante e a demanda tão grande e os recursos tão substanciais que realmente foi necessário que a “Veritate” viesse a se ausentar do resto do mercado naquele período.


Terceiro: O Programa de Pós-Graduação em Ciência Política da Universidade Federal do Pará e o seu Laboratório de Pós-Graduação em Ciência Política é sério, é seriíssimo. As pesquisas realizadas foram planejadas com antecedência de mais de seis meses. E elas foram iniciadas em um momento critico, no qual nenhuma pesquisa havia sido publicada no Pará e o IBOPE acabara de ter a sua pesquisa impugnada liminarmente pela justiça. Nós realizamos a nossa pesquisa sabendo que sofreríamos todo o tipo de pressão para não fazê-la, sabendo que contra a nossa pesquisa também seria tentado a impugnação, como foi. Mas a impugnação liminar contra a nossa pesquisa foi indeferida pela justiça.


Nós realizamos o nosso trabalho com todo o rigor científico, ético e legal. O nosso trabalho estava (e está) preparado para qualquer auditagem sobre os dados. Temos todos os nomes, endereços e muitos telefones de 1.581 pessoas que responderam a primeira pesquisa e de 1607 pessoas que responderam a segunda pesquisa nos 36 municípios para testemunhar.


Agora veja ou resultado da pesquisa comparando com o resultado das urnas


Votos absolutos de 3 de outubro tre-pa

Percentual de votos 3 de outubro incluindo os Brancos e Nulos- comparados com a pesquisa LCP/UFPA/Veritate de 24 a 28 de setembro.


PPGCP/VERITATE em 24/28 de setembro

Diferença entre os votos de 3 de outubro e o resultado da pesquisa LCP?Veritate


Simão Jatene- 1.720.631(votos) 45,8%(TRE) 45,5%(Pesquisa)diferença-0,3%
Ana Júlia -1.267.981(votos) 33,8%(TRE) 24,6% (Pesquisa)diferença 9,2%
Juvenil 380.331(votos) 10,1%(TRE) 8,6%(pesquisa)diferença -1,5%
Fernando Carneiro 107.102(votos) 2,9%(TRE) 1,8%(Pesquisa)diferença- 1,1%
Claber Rabelo- 41.514(votos) 1,1%(TRE) 1,2%(pesquisa)diferença -0,1%
Nenhum/Branco/Nulo- 237.113 6,3%(TRE) 18,3%(pesquisa) diferença-12%
TOTAL 3.754.672 100,0% 100,0% 0,0%

Observem que a difença fora da margem do erro se dá no percentual de indecisos. Nossa pesquisa detectou 18% até o dia 28 de setembro. No dia 03 este percentual caiu para 6%. Ana Júlia cresceu sobre os 12% que deixaram a indecisão entre os dias 28 e 03 de outubro. Destes 12% Ana Júlia conquistou 9.2%. Nenhuma pesquisa realizada até 28 de setembro pode captar a conquista de indecisos a partir da mobilização de boca de urna nos últimos dias (entre 29 de setembro e 03 de outubro) que antecederam esta eleição.


Quarto: Nós não dispomos de nenhum meio de comunicação de massa para a divulgação dos resultados de nossa pesquisa, portanto, nós apresentamos os nossos resultados em seminários do Laboratório e convidamos a todos os meios de comunicação, todas as principais televisões, jornais e rádios para o evento no qual entregamos CDs com o caderno completo da pesquisa em PDF e entregamos estes mesmos CDs para todos os interessados que participaram dos eventos. A forma e o dia da divulgação desses resultados pelas mídias não é de nosso controle, nós apenas as enviamos e não tivemos controle sobre quando estes meios as divulgariam;
Bem gente, eu não posso ficar aqui tentando responder as mais absurdas acusações, mas acredito que expus o suficiente para você entender que essas acusações que nos são feitas são levianas e de motivações ilegítimas e inconfessáveis.
Informo ainda que já constituímos advogado para processar judicialmente os que tentaram causar dano de imagem ao Veritate.
Nós continuaremos nos esforçando para dar o melhor, de forma ética e legitima.
Atenciosamente,

Vladimir Araujo
Diretor Presidente do Veritate Pesquisa de Opinião e Mercado e Estudante do Mestrado de Ciências Política da UFPA.

Eleições para governador Pará- 2010: Resultado por Meso e Microrregião

Eleições 2010: Primeiro Turno por Microrregiões.


Mesorregião Metropolitana-Belém


Microrregião Belém: Belém, Ananindeua,Barcarena, Benevides, Marituba, Santa Bárbara.

Belém:
Jatene 367.418
Ana Júlia: 266.826
Juvenil: 56.707
F.Carneiro: 53.586
Cleber: 22.951

Ananindeua
Jatene: 91.051
Ana Júla: 57.905
Juvenil: 32.240
F.Carneiro: 13.233
Cléber: 8.404


Barcarena:
Jatene: 24.097
Ana: 18.149
Juvenil: 2.802
F.Carneiro: 1.783
Cleber: 946

Benevides:
Jatene: 12.240
Ana: 7.987
Juvenil: 2.990
F.Carneiro: 636
Cleber: 421

Marituba:
Jatene: 21.149
Ana: 14.771
Juvenil: 5.658
F.Carneiro: 1.843
Cleber: 1.177

Santa Bárbara:
Jatene: 4.910
Ana: 3.596
Juvenil: 752
F.Carneiro: 188
Cleber: 110

Total Microrregião Belém:
Jatene: 520.865
Ana: 369.234
Juvenil: 101.149
F.Carneiro: 71.309
Cleber: 34.013




Microrregião Castanhal: Castanhal, Bujarú, Inhangapí, Santa Isabel do Pará, Santo Antônio do Tauá
Castanhal:
Jatene: 53.502
Ana: 18.709
Juvenil: 6.592
F.Carneiro: 3.339
Cleber: 469


Bujarú:
Jatene: 5.684
Ana: 5.285
Juvenil: 767
F.Carneiro: 184
Cleber: 177


Inhangapí:
Jatene: 3.138
Ana: 1.540
Juvenil: 1.014
F.Carneiro: 92
Cleber: 08


Santa Izabel do Pará:
Jatene: 14.579
Ana: 8.831
Juvenil: 3.344
F.Carneiro: 622
Cleber: 413


Santo Antônio do Tauá:
Jatene: 7.518
Ana: 4.218
Juvenil: 4.114
F.Carneiro: 214
Cleber: 114


Total Microrregião Castanhal:
Jatene: 84421
Ana: 38.584
Juvenil: 14.831
F.Carneiro: 4.451
Cleber: 1.181



Nordeste do Pará:
Microrregião Salgado: Colares, Curuçá, Magalhães Barata, Maracanã, Marapanin, Salinópolis


Colares:
Jatene: 2.211
Ana: 2.868
Juvenil: 1.229
F.Carneiro: 86
Cleber: 62



Curuçá:
Jatene: 10.534
Ana: 7.503
Juvenil: 1.246
F.Carneiro: 227
Cleber: 52

Magalhães Barata:
Jatene: 1.395
Ana: 3.432
Juvenil: 340
F.Carneiro: 28
Cleber: 25


Maracanã:
Jatene: 6.853
Ana: 4.500
Juvenil: 4.402
F.Carneiro: 190
Cleber: 63


Marapanin:
Jatene: 10.053
Ana: 4.051
Juvenil: 1.425
F.Carneiro: 192
Cleber: 53


Salinópolis:
Jatene: 12.142
Ana: 5.288
Juvenil: 1.897
F.Carneiro: 521
Cleber: 77


Total: Meso-Nordeste- Microrregião Salgado:
Jatene: 69.725
Ana: 45.521
Juvenil: 22.569
F.Carneiro: 1.897
Cleber: 541




Total : Meso Nordeste- Microrrregião Salgado:

Jatene: 69.725
Ana: 45.521
Juvenil 22.569
F.Carneiro: 1.897
Cleber: 541



Mesorregião Marajó: Portel, Bagre, Gurupá, Melgaço.


Portel:
Jatene: 9.191
Ana: 5.632
Juvenil: 2.405
F.Carneiro: 222
Cleber: 18


Bagre:
Jatene: 3.369
Ana: 2.967
Juvenil: 289
F.Carneiro: 46
Cleber: 16


Gurupá:
Jatene: 4.027
Ana: 6.456
Juvenil: 438
F.Carneiro: 65
Cleber: 07


Melgaço:
Jatene: 4.536
Ana: 2.231
Juvenil: 227
F.Carneiro: 40
Cleber: 04


Total: Microrregião Portel:
Jatene: 21.123
Ana: 17.286
Juvenil: 3.359
F.Carneiro: 373
Cleber: 45


Marajó- Microrregião Furos de breves: Breves, Afuá, Anajás, Curralinho, São Sebastião da B.Vista.


Breves:
Jatene: 19.354
Ana: 10.222
Juvenil: 2.845
F.Carneiro: 600
Cleber: 78



Afuá:
Jatene: 6.625
Ana: 4.082
Juvenil: 2.436
F.Carneiro: 106
Cleber: 05


Anajás:
Jatene: 6.346
Ana: 3.222
Juvenil: 645
F.Carneiro: 108
Cleber: 05


Curralinho:
Jatene: 4.318
Ana: 6.270
Juvenil: 914
F.Carneiro: 136
Cleber: 32


São Sebastião da Boa Vista:
Jatene: 4.626
Ana: 6.966
Juvenil: 468
F.Carneiro: 95
Cleber: 31


Total: Microrregião Breves:
Jatene: 41.269
Ana: 30.762
Juvenil: 7.308
F.Carneiro: 1.045
Cleber: 151



Marajó: Microrregião Arari : Cachoeira do Arari, Chaves,Muaná, Ponta de Pedras, Salvaterra, Santa Cruz do Ararí, Soure.


Cachoeira do Arari.
Jatene: 3.437
Ana: 6.365
Juvenil: 1.167
F.Carneiro: 116
Cleber: 72


Chaves:
Jatene: 2.661
Ana: 2.954
Juvenil: 1.136
F.Carneiro: 08
Cleber: 09



Muaná:
Jatene: 5.431
Ana: 7.406
Juvenil: 1.320
F.Carneiro: 97
Cleber: 27


Ponta de Pedras:
Jatene: 5.418
Ana: 5.372
Juvenil: 733
F.Carneiro: 200
Cleber: 86



Salvaterra:
Jatene: 5.923
Ana: 4.344
Juvenil: 854
F.Carneiro: 113
Cleber: 100



Santa Cruz do Ararí:
Jatene: 1.613
Ana: 2.372
Juvenil: 158
F.Carneiro: 27
Cleber: 04



Soure:
Jatene: 3.949
Ana: 6.199
Juvenil: 2.220
F.Carneiro: 190
Cleber: 75



Total: Marajó- Microrregião Arari:
Jatene: 28.432
Ana: 35.012
Juvenil: 7.588
F.Carneiro: 752
Cleber: 373


Mesorregião Baixo Amazonas-0 Microrregião Óbidos: Óbidos, Faro, Juruti, Oriximiná, Terra Santa


Óbidos:
Jatene: 7.151
Ana: 13.544
Juvenil: 1.209
F.Carneiro: 266
Cleber: 55


Faro:
Jatene: 1.225
Ana: 1.710
Juvenil: 1.055
F.Carneiro: 22
Cleber: 02


Jurutí:
Jatene: 7.810
Ana: 9.936
Juvenil: 558
F.Carneiro: 164
Cleber: 08


Oriximiná:
Jatene: 12.968
Ana: 13.169
Juvenil: 946
F.Carneiro: 411
Cleber: 73

Terra Santa:
Jatene: 3.095
Ana: 2.150
Juvenil: 1.967
F.Carneiro: 60
Cleber: 05


Total: Mesorregião Baixo Amazonas- Microrregião Óbidos:
Jatene: 32.249
Ana: 40.509
Juvenil: 5.735
F.Carneiro: 923
Cleber: 143


Mesorregião Baixo Amazonas- Microprregião Santarém: Santarém, Alenquer, Belterra, Curuá, Monte Alegre, Prainha, Placas.


Santarém:
Jatene: 80.357
Ana: 36.296
Juvenil: 13.731
F.Carneiro: 7.299
Cleber: 501


Alenquer:
Jatene: 12.348
Ana: 9.385
Juvenil: 1.602
F.Carneiro: 481
Cleber: 42


Belterra:
Jatene: 3.374
Ana: 3.965
Juvenil: 1.094
F.Carneiro: 116
Cleber: 19


Curuá:
Jatene: 2.255
Ana: 3.753
Juvenil: 247
F.Carneiro: 87
Cleber: 03


Monte Alegre:
Jatene: 15.960
Ana: 7.905
Juvenil: 6.126
F.Carneiro: 295
Cleber: 36


Prainha:
Jatene: 7.074
Ana: 4.115
Juvenil: 2.181
F.Carneiro: 41
Cleber: 09


Placas:
Jatene: 4.168
Ana: 2.520
Juvenil: 729
F.Carneiro: 22
Cleber: 03


Total: Meso Baixo Amazonas- Micro r: Santarém:
Jatene: 122.536
Ana: 67.939
Juvenil: 25.710
F.Carneiro: 8.341
Cleber: 613




Meso-Baixo Amazona- Micror: Almeirim: Almeirim, Porto de Moz

Almeirim:
Jatene: 6.815
Ana: 6.560
Juvenil: 1.518
F.Carneiro: 58
Cleber: 17


Porto de Moz:
Jatene: 5.566
Ana: 4.538
Juvenil: 1.019
F.Carneiro: 95
Cleber: 06


Total: Meso Baixo Amazonas- Micror: Almeirim:
Jatene: 12.381
Ana: 11.098
Juvenil: 2.537
F.Carneiro: 153
Cleber: 23B



Mesorregião Bragantina: Augusto Corrêa, Bonito, Bragança, Capanema, Igarapé-Açú, Nova Tiboteua, Peixe-Boi, Primavera, Quatipuru Santa Maria do Pará, antarém Novo, São Francisco do Pará, Traquateua


Augusto Corrêa:
Jatene: 7.680
Ana: 9.515
Juvenil: 3.259
F.Carneiro: 277
Cleber: 56


Bonito:
Jatene: 3.434
Ana: 2.419
Juvenil: 1.092
F.Carneiro: 38
Cleber:15


Bragança:
Jatene: 26.145
Ana: 17.921
Juvenil: 6.774
F.Carneiro: 965
Cleber:446


Capanema:
Jatene: 13.891
Ana: 16.906
Juvenil: 3.242
F.Carneiro: 553
Cleber:184


Igarapé-Açú:
Jatene: 9.645
Ana: 6.683
Juvenil: 2.653
F.Carneiro: 268
Cleber:69


Nova Timboteua:
Jatene: 3.638
Ana: 3.327
Juvenil: 767
F.Carneiro: 106
Cleber:27


Peixe-Boi
Jatene: 2.102
Ana: 1.713
Juvenil: 1.200
F.Carneiro: 88
Cleber:39


Primavera:
Jatene: 3.767
Ana: 1.327
Juvenil: 1.175
F.Carneiro: 51
Cleber:180


Quatipuru:
Jatene: 2.332
Ana: 2.520
Juvenil: 947
F.Carneiro: 70
Cleber:15


Santa Maria do Pará:
Jatene: 7.992
Ana: 3.679
Juvenil: 1.120
F.Carneiro: 121
Cleber:47



Santarém Novo
Jatene: 1.644
Ana: 1.167
Juvenil: 1.382
F.Carneiro: 46
Cleber:13


São Francisco do Pará:
Jatene: 5.365
Ana: 2.735
Juvenil: 604
F.Carneiro: 93
Cleber:31


Traquateua:
Jatene: 7.032
Ana: 6.192
Juvenil: 1.316
F.Carneiro: 107
Cleber:40


Meso Bragantina: Total
Jatene: 94.667
Ana: 76.104
Juvenil: 25.531
F.Carneiro: 2.783
Cleber:1.000


Meso Nordeste: Microrregião Tocantina: Cametá, Abaetetuba, Baião, Igarapé-Miri, Limoeiro do Ajurú, Mocajuba, Oeiras do Pará.


Cametá:
Jatene: 27.947
Ana: 29.209
Juvenil: 2016
F.Carneiro: 619
Cleber:80


Abaetetuba:
Jatene: 29.235
Ana: 39.209
Juvenil: 2.007
F.Carneiro: 1.323
Cleber:26


Baião:
Jatene: 6.617
Ana: 8.135
Juvenil: 875
F.Carneiro: 109
Cleber: 26


Igarapé-Miri.
Jatene: 16.894
Ana: 13.293
Juvenil: 1.304
F.Carneiro: 259
Cleber:121


Limoeiro do Ajuru:
Jatene: 4.898
Ana: 7.200
Juvenil: 259
F.Carneiro: 63
Cleber:07


Mocajuba:
Jatene: 6.633
Ana: 7.558
Juvenil: 567
F.Carneiro: 111
Cleber:35


Oeiras do Pará:
Jatene: 5.865
Ana: 6.292
Juvenil: 465
F.Carneiro: 113
Cleber:24


Total Meso Nordeste-Micro-Cametá:
Jatene: 98.089
Ana: 110.894
Juvenil: 7.493
F.Carneiro: 2.597
Cleber:609


Mesorregião Nordeste- Microrregião: Tome-açú: Acará, Concórdia do Pará, Mojú, Tailândia, Tomé-Açú.


Acará:
Jatene: 10.020
Ana: 12.738
Juvenil: 1.408
F.Carneiro: 211
Cleber:149


Concórdia do Pará:
Jatene: 6.329
Ana: 6.016
Juvenil: 410
F.Carneiro: 74
Cleber:40


Mojú:
Jatene: 13.222
Ana: 10.767
Juvenil: 6.152
F.Carneiro: 256
Cleber: 194


Tailândia:
Jatene: 17.049
Ana: 3.868
Juvenil: 4.435
F.Carneiro: 177
Cleber:44


Tomé-Açú:
Jatene: 12.693
Ana: 11.728
Juvenil: 860
F.Carneiro: 120
Cleber:44

Total: Meso Nordeste- Micro- Tomé-Açú:
Jatene: 59.313
Ana: 45.117
Juvenil: 13.265
F.Carneiro: 838
Cleber:508


Mesorregião Nordeste- Microrregião: Guamá: Cachoeira do Piriá, Capitão Poço, Garrafão do Norte, Irituia, Mãe do rio, São Domingos do Capim, São Miguel do Guamá,Vizeu, Aurora do Pará, Ipixuna do Pará, Nova Esperança do Piriá, Santa Luzia do Pará.


Cachoeira do Piriá:
Jatene: 3.101
Ana: 3.467
Juvenil: 555
F.Carneiro: 20
Cleber:09


Capitão Poço:
Jatene: 14.862
Ana: 6.838
Juvenil: 2.811
F.Carneiro: 182
Cleber:52


Garrafão do Norte:
Jatene: 4.907
Ana: 6.313
Juvenil: 1.559
F.Carneiro: 99
Cleber:15


Irituia:
Jatene: 7.435
Ana: 6.265
Juvenil: 2.664
F.Carneiro: 191
Cleber:29


Mãe do rio:
Jatene: 10.142
Ana: 4.278
Juvenil: 1.525
F.Carneiro: 93
Cleber:21


São Domingos do Capim:
Jatene: 8.240
Ana: 6.338
Juvenil: 545
F.Carneiro: 144
Cleber:30


São Miguel do Guamá:
Jatene: 15.640
Ana: 3.590
Juvenil: 4.467
F.Carneiro: 269
Cleber:53


Viseu:
Jatene: 7.602
Ana: 15.311
Juvenil: 1.470
F.Carneiro: 474
Cleber:57


Aurora do Pará:
Jatene: 6.516
Ana: 3.346
Juvenil: 1.091
F.Carneiro: 47
Cleber:13


Ipixuna do Pará:
Jatene: 5.795
Ana: 5.741
Juvenil: 481
F.Carneiro: 50
Cleber:12


Santa Luzia do Pará:
Jatene: 4.824
Ana: 5.237
Juvenil: 514
F.Carneiro: 69
Cleber:27


Total - Meso Nordeste- Micro- Guamá:
Jatene: 93.459
Ana: 71.083
Juvenil: 18.037
F.Carneiro: 1.692
Cleber:324



Mesorregião Sudeste do Pará: Microrregião Tucurui. Microrregião Paragominas, Microrregião São Félix do Xingu, microrregião Parauapebas, Microrregião Marabá, Microrregião Redenção.


Microrregião Tucurui: Tucurui,Itupiranga, Jacundá, Nova Ipixuna, Novo Repartimento, Breu Branco:


Tucurui:
Jatene: 26.777
Ana: 18.135
Juvenil: 2.842
F.Carneiro: 1.291
Cleber:204


Itupiranga:
Jatene: 9.001
Ana: 10.432
Juvenil: 1.467
F.Carneiro: 73
Cleber:17


Jacundá:
Jatene: 13.913
Ana: 6.957
Juvenil: 2.724
F.Carneiro: 205
Cleber:28


Nova Ipixuna:
Jatene: 3.585
Ana: 3.020
Juvenil: 549
F.Carneiro: 59
Cleber:06


Novo Repartimento:
Jatene: 13.771
Ana: 9.649
Juvenil: 3.359
F.Carneiro: 186
Cleber:20


Breu Branco:
Jatene: 10.246
Ana: 6.133
Juvenil: 1.555
F.Carneiro: 185
Cleber:41


Total : Meso Sudeste- Microrregião Tucurui:
Jatene: 77.473
Ana: 54.326
Juvenil: 12.496
F.Carneiro: 1.999
Cleber:316



Meso Sudeste- Microrregião Paragominas: Paragominas, Bpm Jesus do Tocantins, Dom Eliseu, Rondon do Pará, Abel Figueiredo, Goianésia do Pará, Ulianópolis:


Paragominas:
Jatene: 27.607
Ana: 11.702
Juvenil: 2.759
F.Carneiro: 441
Cleber:132


Bom Jesus do Tocantins:
Jatene: 2.737
Ana: 2.985
Juvenil: 263
F.Carneiro: 28
Cleber:02


Dom Eliseu:
Jatene: 8.276
Ana: 6.015
Juvenil: 3.489
F.Carneiro: 143
Cleber:20



Rondon do Pará:
Jatene: 7.974
Ana: 8.030
Juvenil: 3.250
F.Carneiro: 65
Cleber:21


Abel Figueiredo:
Jatene: 1.584
Ana: 1.827
Juvenil: 249
F.Carneiro: 03
Cleber:02



Goianésia do Pará:
Jatene: 8.244
Ana: 3.785
Juvenil: 2.690
F.Carneiro: 170
Cleber:35



Ulianópolis:
Jatene: 4.870
Ana: 3.866
Juvenil: 992
F.Carneiro: 38
Cleber:13



Total: Meso Sudeste- Microrregião Paragominas:
Jatene: 61.292
Ana: 38.210
Juvenil: 13.692
F.Carneiro: 888
Cleber:225


Mesorregião Sudeste: Microrregião São Félix do Xingú: São Félix do Xingú, Ourilândia do Norte,Tucumã, Cumaru do Norte, Bannach.


São Félix do Xingu:
Jatene: 8.382
Ana: 7.756
Juvenil: 5.048
F.Carneiro: 155.
Cleber:23


Ourilândia do Norte:
Jatene: 5.566
Ana: 4.611
Juvenil: 1.160
F.Carneiro: 44
Cleber:16


Tucumã:
Jatene: 7.680
Ana: 5.903
Juvenil: 1.475
F.Carneiro: 42
Cleber: 39

Cumarú
do Norte:
Jatene: 1.327
Ana: 1.344
Juvenil: 673
F.Carneiro: 03
Cleber:03



Bannach:
Jatene: 920
Ana: 992
Juvenil: 60
F.Carneiro: 02
Cleber:01

Total: Meso Sudeste- Microrregião: São Félix do Xingu:
Jatene: 23.875
Ana: 20.606
Juvenil: 3.368
F.Carneiro: 246
Cleber:82

Mesorregião Sudeste- Microrregião Parauapebas: Parauapebas, Curionópolis, Canaã dos Carajás, Água Azul do Norte, Eldorado do Carapás.


Parauapebas:
Jatene: 31.425
Ana: 18.820
Juvenil: 6.472
F.Carneiro: 1.780
Cleber:298



Curionópolis:
Jatene: 3.228
Ana: 3.330
Juvenil: 2.494
F.Carneiro: 96
Cleber:12



Canaã dos Carajás:
Jatene: 5.391
Ana: 3.662
Juvenil: 2.707
F.Carneiro: 112
Cleber:49



Água Azul do Norte:
Jatene: 3.268
Ana: 2.042
Juvenil: 685
F.Carneiro: 52
Cleber:03



Eldorado do Carajás:
Jatene: 4.741
Ana: 5.378
Juvenil: 582
F.Carneiro: 146
Cleber:15



Total - Meso Sudeste- Microrregião Parauapebas:
Jatene: 48.053
Ana: 33.232
Juvenil: 12.940
F.Carneiro: 2.186
Cleber:377



Mesorregião Sudeste- Microrregião Marabá: Marabá, Brejo Grande do Araguaia, São João do Araguaia, Palestina do Pará, São Domingos do Araguaia.


Marabá:
Jatene: 43.251
Ana: 44.192
Juvenil: 6.489
F.Carneiro: 1.764
Cleber:454



Brejo Grande do Araguaia:
Jatene: 1.467
Ana: 1.921
Juvenil: 194
F.Carneiro: 26
Cleber:07



São João do Araguaia:
Jatene: 1.685
Ana: 1.773
Juvenil: 128
F.Carneiro: 47
Cleber:14



Palestina do Pará:
Jatene: 1.876
Ana: 1.595
Juvenil: 252
F.Carneiro: 29
Cleber:01



São Domingos do Araguaia:
Jatene: 4.059
Ana: 4.498
Juvenil: 1.432
F.Carneiro: 76
Cleber:07



Total : Meso Sudeste- Microrregião Marabá:
Jatene: 52.338
Ana: 53.979
Juvenil: 8.495
F.Carneiro: 1.942
Cleber:483



Mesorregião Sudeste- Microrregião Redenção: Redenção, Piçarra, Rio Maria, São Geraldo Araguaia, Xinguara, Pau D’Arco:


Redenção:
Jatene: 21.371
Ana: 8.825
Juvenil: 6.478
F.Carneiro: 339
Cleber:82



Piçarra:
Jatene: 2.371
Ana: 2.259
Juvenil: 995
F.Carneiro: 09
Cleber: 02



Rio Maria:
Jatene: 3.484
Ana: 4.549
Juvenil: 902
F.Carneiro: 37
Cleber:07



São Geraldo do Araguaia:
Jatene: 5.942
Ana: 3.268
Juvenil: 3.927
F.Carneiro: 26
Cleber:09


Xinguara:
Jatene: 9.020
Ana: 8.938
Juvenil: 900
F.Carneiro: 151
Cleber: 44



Pau D”Arco:
Jatene: 1.468
Ana: 1.617
Juvenil: 794
F.Carneiro: 20
Cleber:08


Total: Meso-Sudeste- Microrregião Redenção
Jatene: 43.656
Ana: 29.456
Juvenil: 13.996
F.Carneiro: 582
Cleber:152



Mesorregião Sudeste: Microrregião Conceição do Araguaia: Conceição do Araguaia, Santa Maria das Barreiras, Santana do Araguaia, Floresta do Araguaia:


Conceição do Araguaia:
Jatene: 10.248
Ana: 9.032
Juvenil: 1.135
F.Carneiro: 175
Cleber: 59



Santa Maria das Barreiras:
Jatene: 2.139
Ana: 2.121
Juvenil: 2.730
F.Carneiro: 13
Cleber:04



Santana do Araguaia:
Jatene: 4.911
Ana: 3.975
Juvenil: 3.484
F.Carneiro: 23
Cleber:06



Floresta do Araguaia:
Jatene: 2.360
Ana: 4.210
Juvenil: 676
F.Carneiro: 47
Cleber:05


Total: Meso Sudeste- Microrregião Conceição do Araguaia:
Jatene: 19.658
Ana: 19.338
Juvenil: 8.025
F.Carneiro: 258
Cleber:74



Mesorregião Sudoeste: Microrregião Itaituba, Microrregião Altamira:



Mesorregião Sudoeste – Microrregião Itaituba: Itaituba, Aveiro, Trairão. Novo Progresso, Jacareacanga, Rurópolis:


Itaituba:
Jatene: 23.794
Ana: 13.770
Juvenil: 5.758
F.Carneiro: 504
Cleber:114

Aveiro:
Jatene: 2.707
Ana: 2.702
Juvenil: 829
F.Carneiro: 26
Cleber:15

Trairão:
Jatene: 2.786
Ana: 1.938
Juvenil: 1.060
F.Carneiro: 41
Cleber:01


Novo Progresso:
Jatene: 4.600
Ana: 4.044
Juvenil: 1.315
F.Carneiro: 17
Cleber:20



Jacareacanga:
Jatene: 13.913
Ana: 6.957
Juvenil: 2.724
F.Carneiro: 205
Cleber:28



Rurópolis:
Jatene: 5.718
Ana: 3.824
Juvenil: 1.092
F.Carneiro: 59
Cleber:06


Total: Meso Sudoeste- Micro Itaituba:
Jatene: 53.518
Ana: 33,235
Juvenil: 12.778
F.Carneiro: 852
Cleber:184



Mesorregião Sudoeste – Microrregião Altamira: Altamira, Anapú, Medicilândia, Pacajá. Senador José Porfírio, Uruará, Brasil Novo, Vitória do Xingu.



Altamira:
Jatene: 22.111
Ana: 7.302
Juvenil: 14.453
F.Carneiro: 517
Cleber:70



Anapú:
Jatene: 4.616
Ana: 2.246
Juvenil: 1.342
F.Carneiro: 21
Cleber: 02



Medicilândia:
Jatene: 4.824
Ana: 4.541
Juvenil: 1.962
F.Carneiro: 131
Cleber:04



Pacajá:
Jatene: 8.218
Ana: 4.500
Juvenil:
F.Carneiro: 105
Cleber:10



Senador José Porfírio:
Jatene: 2.048
Ana: 1.468
Juvenil: 1.375
F.Carneiro: 26
Cleber:0



Uruará:
Jatene: 6.559
Ana: 2.611
Juvenil: 8.724
F.Carneiro: 58
Cleber:09



Brasil Novo:
Jatene: 5.028
Ana: 2.421
Juvenil: 1.440
F.Carneiro: 27
Cleber: 02



Vitória do Xingu:
Jatene: 3.008
Ana: 1.694
Juvenil: 1.199
F.Carneiro: 60
Cleber:04



Total: Meso Sudoeste – Microrregião Altamira:
Jatene: 36.512
Ana: 26.783
Juvenil: 24.986
F.Carneiro: 945
Cleber:101

quinta-feira, 7 de outubro de 2010

Artigo:Eleições 2010 e o peso de Lula nas eleições.

*Prof. Dr. Manoel Alves da Silva
Passadas as eleições, os candidatos, os partidos políticos, especialistas e o público em geral se perguntam: O que leva o eleitor a definir seu voto, ou seja, sua decisão em votar num candidato é pautada por qual critério? Existe uma racionalidade que orienta esta decisão, ou ela é substancialmente baseada no seu estado emocional?
No livro a cabeça do eleitor o autor apresenta uma assertiva segundo a qual governos bem avaliados se reelegem ou elegem seu sucessor, bem como o contrário -também - é verdadeiro, ou seja, governos mal avaliados não se reelegem, nem tão pouco, elegem seus sucessores. Segundo este raciocínio há uma lógica que orienta a decisão do voto por parte do eleitor.


A avaliação positiva ou negativa que o eleitor atribui a um determinado governo está relacionada ao grau de satisfação deste eleitor, sendo assim quanto mais o eleitor vê seus interesses atendidos, maior será sua satisfação com o governo, e em proporções similares será sua avaliação positiva em relação ao governante.
Mas afinal o que leva o eleitor a decidir seu voto? Na hora de votar o eleitor trás, também na sua memória comportamental, a lógica do jeitinho Brasileiro (Roberto DaMatta), ou seja regras essenciais da convivência societária podem ser violadas ou negligenciadas. Afinal quem está atrás tem o direito de ficar na frente, e quem está na posição de baixa deve aspirar à posição de cima. E nesse momento regras sempre foram feitas para servir a quem está ou na frente ou em posição de superioridade, logo podem e devem ser desconsideradas. “Afinal quem tem fome tem pressa”, mesmo que para atingir seus objetivos adotem posturas “alopradas”.


Ao buscarmos entender a lógica do comportamento individual/ coletivo na sociedade, observamos certa tolerância com ações que desrespeitam as regras estabelecidas. Nossas elites políticas (governantes) consideram absolutamente “normal” utilizar o dinheiro público para atender os interesses de grupos particulares: pagar parlamentares para obter maioria congressual, um partido pode orientar seus ascetas a violar sigilo bancário, fiscal, montar dossiês baseados em dados restritos ao uso do Estado, sendo manipulados ao sabor dos interesses de grupos, na guerra santa que este (partido) trava contra o mal (os adversários). Apropriar-se do dinheiro público para corromper a opinião pública, e a própria sociedade.


Esse consentimento sub-reptício que as elites acreditam possuir para se apropriar do patrimônio público, ou de utilizar a esfera pública para fins privados (partidários); ou seja, uma legitimidade para infringir a legalidade, também perpassa às camadas populares. Haveria uma ambiência de micro corrupção sedimentada por práticas micro corruptivas no cotidiano popular. Sendo assim o agir coletivo desde estratos sociais populares às elites estão impregnados por uma lógica patrimonialista. Emblematicamente simboliza uma profunda tolerância com as ações transgressoras às regras majoritariamente constituídas; ou seja, a legalidade.


Partindo dessa lógica retomamos a assertiva desenvolvida na literatura sociológica (a cabeça do Brasileiro, a cabeça do eleitor) para focarmos as eleições 2010. O resultado das eleições demonstrou à vitória da candidata do PT, mas não no primeiro turno. Por outro lado, os governadores do Rio de Janeiro, São Paulo, Bahia, Pernambuco, Santa Catarina, Paraná, venceram. Ancorado no argumento apresentado nesse texto, digo que: essas vitórias representam a satisfação dos eleitores com os respectivos governantes.

Assim como a governadora do Rio Grande do Sul não se reelegeu, por força da rejeição altíssima. No caso do Estado do Pará, a governadora Ana Julia com rejeição superior a 40% terá grandes dificuldades, no segundo turno. Neste caso o eleitor não está vendo seus interesses atendidos, levando-os a rejeitarem as governantes, e, por conseguinte, não reelegê-las.


Nas disputas para os governos estaduais a influência do presidente Lula é residual, não decisiva. A vitória do candidato petista no Rio Grande do Sul não está relacionada à popularidade do presidente lula, até porque se isso fosse verdadeiro, essa mesma popularidade teria revertido às derrotas no Pará, e em São Paulo. As eleições para presidente e de governador possuem dinâmicas diferenciadas, pautadas em escalas de interesses distintos.

No estado do Pará a candidata Dilma venceu o candidato do PSDB, contudo a candidata petista ao governo do Pará Ana Julia foi derrotada, pelo candidato do PSDB, no Rio Grande do Sul, o PSDB perdeu para o PT, no Acre Marina perdeu para o Serra, e em São Paulo, embora Mercadante tenha recebido apoio ostensivo de Lula isso não evitou a derrota de Mercadante/Dilma. Em Brasília, endereço domiciliar do presidente mais popular da historia do Brasil a Marina ganhou.


Sendo assim a popularidade do presidente Lula é receptiva em ambientes nos quais há densidade de satisfação por parte do eleitor, mas é residual e assume contornos alegóricos em situações de rejeição aos governantes, e insatisfação; quando os interesses dos eleitores não são atendidos por esses governantes. Nesses casos o presidente Lula não consegue transferir seu lastro de popularidade àqueles governantes que possuem avaliação negativa. Mas há sempre a possibilidade do eleitor trocar quatro anos de escola pública por uma cesta básica, na mesma proporção existe o política para oferecer esse escombro, pautado na lógica do “jeitinho brasileiro”. Contudo o eleitor vota de acordo com a sua lógica de interesse.

Eleições Presidenciais 2010: Manifesto dos Reitores das Federais à Nação brasileira

EDUCAÇÃO – O BRASIL NO RUMO CERTO
(Manifesto de Reitores das Universidades Federais à Nação Brasileira)

Da pré-escola ao pós-doutoramento – ciclo completo educacional e
acadêmico de formação das pessoas na busca pelo crescimento pessoal e
profissional – consideramos que o Brasil encontrou o rumo nos últimos
anos, graças a políticas, aumento orçamentário, ações e programas
implementados pelo Governo Lula com a participação decisiva e direta
de seus ministros, os quais reconhecemos, destacando o nome do
Ministro Fernando Haddad.

Aliás, de forma mais ampla, assistimos a um crescimento muito
significativo do País em vários domínios: ocorreu a redução marcante
da miséria e da pobreza; promoveu-se a inclusão social de milhões de
brasileiros, com a geração de empregos e renda; cresceu a autoestima
da população, a confiança e a credibilidade internacional, num claro
reconhecimento de que este é um País sério, solidário, de paz e de
povo trabalhador.

Caminhamos a passos largos para alcançar patamares
mais elevados no cenário global, como uma Nação livre e soberana que
não se submete aos ditames e aos interesses de países ou organizações
estrangeiras.

Este período do Governo Lula ficará registrado na história como aquele
em que mais se investiu em educação pública: foram criadas e
consolidadas 14 novas universidades federais; institui-se a
Universidade Aberta do Brasil; foram construídos mais de 100 campi
universitários pelo interior do País; e ocorreu a criação e a
ampliação, sem precedentes históricos, de Escolas Técnicas e
Institutos Federais. Através do PROUNI, possibilitou-se o acesso ao
ensino superior a mais de 700.000 jovens.

Com a implantação do REUNI,
estamos recuperando nossas Universidades Federais, de norte a sul e de
leste a oeste. No geral, estamos dobrando de tamanho nossas
Instituições e criando milhares de novos cursos, com investimentos
crescentes em infraestrutura e contratação, por concurso público, de
profissionais qualificados.

Essas políticas devem continuar para
consolidar os programas atuais e, inclusive, serem ampliadas no plano
Federal, exigindo-se que os Estados e Municípios também cumpram com as
suas responsabilidades sociais e constitucionais, colocando a educação
como uma prioridade central de seus governos.


Por tudo isso e na dimensão de nossas responsabilidades enquanto
educadores, dirigentes universitários e cidadãos que desejam ver o
País continuar avançando sem retrocessos, dirigimo-nos à sociedade
brasileira para afirmar, com convicção, que estamos no rumo certo e
que devemos continuar lutando e exigindo dos próximos governantes a
continuidade das políticas e investimentos na educação em todos os
níveis, assim como na ciência, na tecnologia e na inovação, de que o
Brasil tanto precisa para se inserir, de uma forma ainda mais
decisiva, neste mundo contemporâneo em constantes transformações.


Finalizamos este manifesto prestando o nosso reconhecimento e a nossa
gratidão ao Presidente Lula por tudo que fez pelo País, em especial,
no que se refere às políticas para educação, ciência e tecnologia. Ele
também foi incansável em afirmar, sempre, que recurso aplicado em
educação não é gasto, mas sim investimento no futuro do País. Foi
exemplo, ainda, ao receber em reunião anual, durante os seus 8 anos de
mandato, os Reitores das Universidades Federais para debater políticas
e ações para o setor, encaminhando soluções concretas, inclusive,
relativas à Autonomia Universitária.


Alan Barbiero – Universidade Federal do Tocantins (UFT)
José Weber Freire Macedo – Univ. Fed. do Vale do São Francisco
(UNIVASF)
Aloisio Teixeira – Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ)
Josivan Barbosa Menezes – Universidade Federal Rural do Semi-árido
(UFERSA)
Amaro Henrique Pessoa Lins – Universidade Federal de Pernambuco (UFPE)
Malvina Tânia Tuttman – Univ. Federal do Estado do Rio de Janeiro
(UNIRIO)
Ana Dayse Rezende Dórea – Universidade Federal de Alagoas (UFAL)
Maria Beatriz Luce – Universidade Federal do Pampa (UNIPAMPA)
Antonio César Gonçalves Borges – Universidade Federal de Pelotas
(UFPel)
Maria Lúcia Cavalli Neder – Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT)
Carlos Alexandre Netto – Universidade Federal do Rio Grande do Sul
(UFRGS)
Miguel Badenes P. Filho – Centro Fed. de Ed. Tec. (CEFET RJ)
Carlos Eduardo Cantarelli – Univ. Tec. Federal do Paraná (UTFPR)
Miriam da Costa Oliveira – Univ.. Fed. de Ciênc. da Saúde de POA
(UFCSPA)
Célia Maria da Silva Oliveira – Univ. Federal de Mato Grosso do Sul
(UFMS)
Natalino Salgado Filho – Universidade Federal do Maranhão (UFMA)
Damião Duque de Farias – Universidade Federal da Grande Dourados (UFGD)
Paulo Gabriel S. Nacif – Universidade Federal do Recôncavo da Bahia
(UFRB)
Felipe .Martins Müller – Universidade Federal da Santa Maria (UFSM).
Pedro Angelo A. Abreu – Univ. Fed. do Vale do Jequetinhonha e Mucuri
(UFVJM)
Hélgio Trindade – Univ. Federal da Integração Latino-Americana (UNILA)
Ricardo Motta Miranda – Univ. Fed. Rural do Rio de Janeiro (UFRRJ)
Hélio Waldman – Universidade Federal do ABC (UFABC)
Roberto de Souza Salles – Universidade Federal Fluminense (UFF)
Henrique Duque Chaves Filho – Univ. Federal de Juiz de Fora (UFJF)
Romulo Soares Polari – Universidade Federal da Paraíba (UFPB)
Jesualdo Pereira Farias – Universidade Federal do Ceará – UFC
Sueo Numazawa – Universidade Federal Rural da Amazônia (UFRA)
João Carlos Brahm Cousin – Universidade Federal do Rio Grande – (FURG)
Targino de Araújo Filho – Univ. Federal de São Carlos (UFSCar)
José Carlos Tavares Carvalho – Universidade Federal do Amapá (UNIFAP)
Thompson F. Mariz – Universidade Federal de Campina Grande (UFCG)
José Geraldo de Sousa Júnior – Universidade Federal de Brasília (UNB)
Valmar C. de Andrade – Universidade Federal Rural de Pernambuco (UFRPE)
José Seixas Lourenço – Universidade Federal do Oeste do Pará (UFOPA)
Virmondes Rodrigues Júnior – Univ. Federal do Triângulo Mineiro (UFTM)
Walter Manna Albertoni – Universidade Federal de São Paulo ( UNIFESP)

sábado, 2 de outubro de 2010

Sucessão de 2010: Artigo escrito em 23/01/2010- Uma alerta que não foi ouvido

Sucessão de 2010: um balanço inicial do governo Ana Júlia


Para introduzir minha análise apresento alguns dados recentes acerca da imagem da governadora do Pará perante o eleitorado estadual.
Dêem uma olhada a quantas andam a imagem da governadora do Pará:as fontes são confiáveis e retrata uma pesquisa de dezembro de 2009.

2.Percepção da imagem da Governadora Ana Júlia

E como a Governadora Ana Júlia Carepa é vista pela população do Pará? O que vem a mente deste povo quando se fala o nome de Ana Júlia?

O tamanho da imagem Positiva é de apenas 23%. Agora, quando se trata de imagem Negativa o índice vai para 65%. Em relação às mesorregiões do Estado, a que se destaca com melhor percentual de imagem positiva é a mesorregião do Baixo Amazonas, 49%. As de piores desempenhos de imagem da governadora são: Marajó (93%), seguida da Metropolitana (75%), Sudoeste (71%) e Nordeste 60%).

A ANÁLISE:
1- Dediquei 17 anos de minha vida ao PT. Desfiliei-me politicamente no ano de 2002. Entre os anos de 1981 e 1984 fiquei transitando entre a convergência, DS, e a dissidência esquerda do PC do B , para finalmente ingressar com toda força no PRC até 1988. No PT, o PRC adentrou a partir de 1985 e lançou Humberto Cunha prefeito de Belém, alcançando o percentual histórico, para aquela época, de 10% do eleitorado.
Fui da direção municipal e estadual do PT e da direção estadual e nacional da CUT.

2- Saí do PT por motivos profissionais, já era mestre em Ciência Política e estava cursando o doutorado, aí eu teria dois caminhos, ou seria cientista do PT, ou um acadêmico da UFPA para discutir, sem o constrangimento de enfrentar a disciplina partidária, temas polêmicos como o mensalão, ou a avaliação de governo quando o PT fosse o partido incumbente. Optei pela segunda alternativa.

3- Hoje assisto com alegria o grande desempenho de um governo de centro esquerda no Brasil, o governo Lula, sem dúvida será lembrado como aquele que alçou vôo, levando consigo grande parte do povo brasileiro. Até recentemente o crescimento econômico não era acompanhado da distribuição de rendas, controle inflacionário e geração de novos empregos formais. Lula, pelos números ostentados em relação a: investimento em educação, nas universidades federais e no ensino técnico e tecnológico. Investimento no ensino fundamental e nos salários dos professores. Investimento na agricultura familiar, que gerará nos próximos 15 anos uma classe média rural. A política de cotas nas universidades que gerará uma nova classe média, baseada nos sem universidades de ontem. Enfim Lula tem indicadores em todas as áreas das políticas de Estado, incluindo a diminuição da dependência comercial com os EUA e ampliando o acesso ao comércio com a China, África do Sul, Rússia e Oriente médio. Então podemos afirmar com convicção, o governo Lula têm muito mais méritos do que deméritos, daí ser o presidente brasileiro campeão em popularidade.

E o governo Ana Júlia como vai?
4- Como ponto de partida posso afirmar que quando penso em Ana Júlia me sobressai, de início, imagens negativas: DAS para manicure, privilégio ao piloto namorado, a menor encarcerada de Abaetetuba, o escândalo do kit escolar, mortes de bebês na Santa Casa, o sucateamento do Ophir Loyola, e agora mais recentemente, denúncias em torno de propinas a partir de obras públicas.

5- Do ponto de vista político outras imagens negativas se sobressaem: concentração do núcleo de governos nas mãos de pouquíssimas pessoas de seu relacionamento pessoal, em detrimento do partido e da base de apoio partidário e parlamentar. Reclamações de toda a base aliada de que os acordos firmados com a Casa Civil nunca são cumpridos. Reclamações da bancada federal quanto às emendas orçamentárias para o estado, onde a governadora, prometeu e não cumpriu de que acrescentaria às emendas individuais o mesmo valor alocado pelo deputado federal ou senador, independente de partido. Incapacidade em gastar os recursos orçamentários alocados pelos deputados e senadores, através de emendas de bancada. Neste ano o governo do estado não teria tido a capacidade gastar em torno de 500 milhões, das verbas destinadas ao estado e esta teria sido devolvida.

6- Estes erros, que são crassos nas relações políticas, poderiam e deveriam ser superados a qualquer momento, principalmente relacionado à base aliada, bastando para isso que a chefe do executivo bata o martelo e altere as relações políticas e institucionais que vem estabelecendo com a base aliada.
Há nove meses das próximas eleições esta decisão ainda não foi tomada, e hoje tenho muitas dúvidas se as relações de parcerias e confiança ainda podem ser reestabelecidas com a base de centro direita no parlamento e nas prefeituras. Quanto ao PT, este não tem outro caminho de que não seja tentar viabilizar a candidatura Ana para que tenha reflexos eleitorais positivos, através do desempenho da legenda e na conquista de um quociente eleitoral favorável às bancadas federais, estaduais, e na disputa senatorial.

7- Mas neste mar de imagens negativas, o governo tem o que mostrar, mas passou 36 meses sem conseguir mostrá-los, ou quando o fez, o executou sem criatividade e com baixa capacidade convencimento, senão vejamos: O governo não capitalizou ostensivamente as iniciativas federais no estado como a criação da UFOPA, as eclusas de Tucurui, a retomada do asfaltamento da Transamazônica e da BR 163, a siderúrgica de Marabá, a extensão da ferrovia norte-sul à Barcarena.

8- O governo também tem boas iniciativas estaduais, e só agora começa a mostrar uma propaganda mais agressiva e consistente como: a bolsa trabalho, os parques Tecnológicos em construções, a ação metrópole, o navega Pará, pequenas obras de infra-estrutura municipal, como as construções de trapiches, estradas vicinais e construções de escolas, postos de saúde e equipamentos hospitalares.

9- A grande decepção do governo Ana Júlia foi sem dúvida a perda da marca registrada do PT nas áreas da saúde e educação. Têm sido paradigmática as revoluções silenciosas patrocinadas nas administrações municipais e estaduais comandas pelo PT nestas duas áreas. A partir de uma visão aparelhista do controle de áreas essenciais do Estado para fins de reeleição, deixou-se em segundo plano a questão de Saúde e Educação.

10- Não foi experimentada nenhuma ação articulada visando o estabelecimento de novos métodos de aprendizado e gestão escolar. Uma minoria de escolas funciona exemplarmente em detrimento da maioria atolada pelo compadrio entre diretores e professores. Não houve ações coordenadas que envolvessem tanto órgãos e dirigentes estaduais com as secretarias municipais, para superar problemas relacionados à gestão e às novas metodologias de aprendizado. Não houve o empoderamento orçamentário e político do espaço escolar. Além de se ter privilegiado a confiança política para a ocupação de cargos técnicos em detrimento da prioridade da competência específica aliada à confiança.

11- Em relação ao setor saúde, nem se fale. A saúde foi rifada para cumprir acordos eleitorais. Sem dúvida existiriam outras maneiras e cumprir acordos, mas a saúde e educação não deveriam ter sido secundarizadas pelo governo. Para os pragmáticos direi com toda a convicção: Saúde, Educação, Assistência Social e Segurança não podem ser locais de barganha e onde não deve nem ser pensado a possibilidade de aparelhamento, porque são essenciais para armar a sociedade pobre para a competição na sociedade, patrimonializar estes setores de governo trará reflexos devastadores para toda àquelas pobres vidas, e por um longo tempo .

12- A gestão da saúde é um dos principais problemas a serem enfrentados pelos governos. Apesar dos recursos fluírem fundo a fundo, as coisas não acontecem na ponta. Os pacientes não são bem recebidos, as filas são intermináveis, a falta de médicos é uma constante, a Estratégia Saúde da Família está desvirtuada por causa do aparelhamento e apadrinhamento político municipal.

13- Mas Ana Júlia têm grandes chances de estar no segundo turno. A melhoria da comunicação política, as obras federais e estaduais bem capitalizadas, a aliança eleitoral com partidos e prefeituras e o grande poder da máquina estadual, dos recursos organizativos e financeiros, a fazem uma grande atriz política ao próximo processo sucessório.

14- A quebradeira estadual do PSDB, a partir das eleições municipais de 2008. O fato de Jáder Barbalho não querer arriscar perder mandato em 2010, numa disputa para o executivo. O desmonte moral que o Diário do Pará executou contra a gestão Dudu em Belém, nos últimos 3 anos, são fatores que deixam a possibilidade do governo Ana e o PT sonharem ainda em conseguir uma reeleição, num contexto de péssima gestão política, administrativa e orçamentária no estado do Pará nestes últimos 37 mêses. Imaginem, apesar desta análise, afirmo e reafirmo, Ana ainda tem chances de se reeleger. É... são coisas da política.
Postado por Edir Veiga às 19:28 10 comentários Links para esta postagem